sábado, 25 de junho de 2022

Quem você chamará?

O tempo passa, o tempo voa e nem a poupança Bamerindus continuou numa boa. As coisas mudam e um filme como Os Caça-Fantasmas (1984/89) não serviria para os dias de hoje. Cada época tem o seu paladar. É como o sabor tutti-frutti, que vai mudando de acordo com região, clima e época. Então não podemos sentar para assistir algo novo da franquia esperando o que víamos quando guris. Mas o passado pode ser homenageado. E o novo pode agradar a várias idades com respeito à nossa inteligência. E assim foi com Os Caça-Fantasmas - Mais Além, filme divertido do ano passado.

Confesso que não queria ver a produção. Fiquei com medo de intoxicar meus sentidos, após aquela monstruosidade filmada em 2016. No entanto, vale a pena. E o melhor: o filme dá continuidade à franquia como se aquela abominação nunca tivesse existido. O filme das empoderadas foi satisfatoriamente extirpado da cronologia.

Na trama, Egon Spengler, o ex-gênio da trupe assombrada, tem seus últimos dias, vindo a falecer em confronto à malévola entidade Gozer (sim, a mesma do primeiro filme). Logo após, conhecemos seus descendentes: a filha com quem não mantinha contato e dois netos, herdeiros de sua fazenda na pacata cidade perdida no fim do mundo: Summerville. Como era de se esperar, eventos estranhos rondam a região e caberá à gurizada salvar o mundo, com direito à ajudinha (lá no final) da formação original, até mesmo com um Harold Ramis (o Dr. Egon) recriado digitalmente, já que é falecido desde 2014. E, no meio dos créditos, ainda temos Sigourney Weaver de brinde, dando choques no Dr. Bill "Venkman" Murray.

É um filme despretensioso, mas que lavou a alma da franquia após a lacração acéfala de 2016. Todos os elementos que tornaram Caça-Fantasmas o que são estão lá: o fantasma Papa-Metal que sucede "espiritualmente" o que, no desenho animado, chamamos de Geleia; pequenos Mr. Stay-Puft; os cães lazarentos do inferno que incorporam em pessoas indefesas e a própria Gozer, como já falado. Aliás, os novos tempos estão ali na pessoa de Gozer. Aproveitando sua imagem andrógina, uma das pirralhas adverte que a entidade não é "ela" nem "ele", pois está além de gêneros, ao que a outra responde: "Politicamente correto há 3000 anos antes de Cristo". E até Janine deu as caras, logo no comecinho.

As homenagens não são apenas aos filmes anteriores da franquia. O professor Grooberson, para ocupar os alunos perdedores, põe filmes de terror antigos, em VHS, na TV de tubo, para a estranheza dos guris que não aceitam bem aquelas produções datadas, como Cujo (1983) e Brinquedo Assassino (1988). É ele dizendo por nós: "Vejam, nós adorávamos essas porcarias".

O filme tem o mérito de ligar a pequena Summerville e o metal ali extraído com a edificação do prédio onde Gozer surge, em Nova Iorque, na obra de 1984. E, no final, o inesquecível automóvel Ecto-I nos é mostrado retornando à grande metrópole, certamente em busca de novíssimas aventuras.

E antes que você pergunte: claro, os créditos são embalados pela Ghostbusters de Ray Parker Jr.!

Abraços fantasmagóricos e até a próxima.

14 comentários:

  1. se um dia aparecer no netflix ou no prime, dou uma olhada
    bom saber que é razoável
    pelo menos a aberração de 2016 cujo nome não deve ser dito morreu no prejuízo e não terá descendentes hahahahaha

    abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Scant. Vi que vc movimentou o canal do YT!
      Só assisti pq entrou na HBO e ainda tô com acesso. Mas tb não correria atrás para vê-lo. Aliás, não corro mais atrás de nada: filme, livro, hq etc. Se tiver fácil para consumo, blz. Se não, espero vir até mim. Felizmente, há anos e anos, não nutro ansiedade por mais nada assim.
      Abraços!

      Excluir
    2. registrando minha voz e pensamento para a o posteridade.
      daqui a 100 anos alguem poderá ouvir o que digo e dizer: "que lixo!"

      "Se tiver fácil para consumo" a paz da aleatoriedade

      abs!

      Excluir
    3. No ritmo em que as coisas andam, acho que daqui a cem anos nem teremos mais acesso à internet. Estaremos nos matando com tacapes e lanças!

      Excluir
  2. Não acompanhei esse Ghostbusters de 2016, tampouco esse último. Me contentei com o antigo, que passava vez ou outra na Globo, aos domingos.
    Ultimamente, deixei de ver filmes como via antes. O cinema ficou muito caro e têm muita porcaria. Gostava de ir quando era estudante e ainda pegava aquela meia entrada nas terças, que o ingresso é mais barato até as 17h (mas quem, se não um estudante, poderia ir nesse horário ao cinema?). Tenho Netflix, mas ver filmes por lá é chafurdar na merda pra tentar achar uma pérola. Passo mais tempo procurando que vendo, não sei se vale a pena. A maioria das vezes, escolho mal e o filme é chato e entediante, cheio dessas lacrações irritantes.
    Ao chegar ao final do texto vi as propagandas e lembrei que você havia ativado e fiquei curioso: está valendo a pena? Dá pra pagar, pelo menos, um café da manhã? um petit déjeuner?
    Abraços!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "enho Netflix, mas ver filmes por lá é chafurdar na merda pra tentar achar uma pérola" - concordo.
      uma solução: youtube (gratuito ou pago) e/ou Prime Video (pago) + antologia de filmes (https://www.listchallenges.com/500-essential-cult-movies)

      Excluir
    2. Olá, Matheus.
      Cara, os filmes de '80 foram importantes para mim. Vi e revi várias vezes ao longo da adolescência.
      Cinema fui muito quando guri. Após os 16 anos, na época da faculdade, fui pouco. Hj, quase não piso num. É caro demais pq não tenho meia entrada então pago a meia-entrada dos outros. Tô fora. Sem contar que me acomodei bastante e passei a gostar de habitar minha casa.
      Evito colocar propaganda dentro de postagem. Acho cansativo. Tô usando o código para o final do post.
      Por enquanto, não serve para nada. Tenho em média 10 mil acessos por mês e conferi agorinha: tá em 60 centavos (acho que de euro).
      Um espresso tá cinco conto. Um café da manhã bom tá custando em torno de 15 a 20 onde gosto de ir: uma padaria legalzinha.
      Logo, acho que vou desistir disso. Mas como me propus a ir até o final do ano, manterei.
      Enfeia bastante a página para retorno algum.
      Abç!

      Excluir
    3. A melhor assinatura q fiz foi o YT Premium!

      Excluir
  3. Pretendo assistir quando o encontrar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Fabiano. Tb sou assim: só assisto se estiver facinho. Abç!

      Excluir
  4. Legal sua resenha, me deu vontade de assistir ao filme. Nem sabia da existência dele!

    ResponderExcluir
  5. Assim como para você, os filmes dos anos 80 também foram importantes para mim. Por isso, para não destruir a boa lembrança que tenho deles, evito reassisti-los. Mais ainda, ver os remakes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Marreta.
      Sempre q possível, tô revendo. Mas evito remakes.
      Abç!

      Excluir

Comente ou bosteje.