sábado, 5 de março de 2022

Mamãe Papei

 

Ridendo castigat mores

Qualquer pessoa que vote em Lula ou até mesmo no Boulos para o Planalto tem o meu profundo respeito: pois é um voto às claras, num dado projeto de poder. Quem vota em Lula está claramente apostando em: regulamentação da mídia opositora, maior tributação sobre a classe média, apoio financeiro à mídia mainstream e a artistas ricos,  desarmamento civil e financiamento a ditaduras com a garantia de "charutos caseiros". O mesmo vale para Bolsonaro: ele é aquele malucão ali, no qual votei por minha conta e risco e votarei novamente. Mas e a "terceira via"?

Não existe terceira via e água e óleo não se misturam para formar uma via opcional. Quem acredita nisso precisa de mais alguns longos anos no lombo e cabelos brancos, para aprendizado. A terceira via é o sobejo do oportunismo, é este potencializado à décima potência, o faz-de-conta do isentão. É o Sérgio Moro abraçado a Nando Moura com projetos nebulosos de poder. É a hipocrisia em seu estado mais patético. É votar no escuro.

Há poucos dias, o deputado estadual Arthur do Val fingiu ir brincar de Rambo na Ucrânia. O erro começou aí: um parlamentar brasileiro tomar partido direto nesse conflito escroto, em parte promovido por ações desastrosas do próprio presidente Volodymyr Zelensky, que achou ser uma boa ideia se aliar ao ocidente - o qual ainda hoje enxerga o povo eslavo como sub-raça -, procurar briga com a população russa de seu território, ofertar parte de seu território para que nações opositoras à Rússia se fizessem militarmente presentes e ameaçar o poder bélico sediado justamente sobre sua cabeça. O segundo erro nem foi erro: é apenas o jeito "terceira via de ser". Por trás do discurso meio-boca "estamos aqui na guerra fazendo o que Bolsonaro não faz etc.", estava a total ausência de empatia, a busca apenas por likes e views, com tempo para turismo sexual. Além disso, aliás: exploração sexual de mulheres destroçadas pela guerra, dispostas a tudo para tentar sair daquela situação. Isso não é turismo sexual, o qual é até natural (sim, é o que acho); é escrotice mesmo.

Aqui, saímos do cenário de controle do discurso politicamente correto. O deputado não está sendo penalizado por todos por "censura politicamente correta". É canalhice mesmo. Fazer vaquinha com grana dos trouxas para tirar foto nos fundos de um barzinho cheio de garrafas vazias (fingindo que iria confeccionar coquetel molotov, quando estava tomando umas), postar clichês e frases bonitas sobre dor e sofrimento em redes sociais e, na verdade, ir à cata de mulheres ferradas até a alma em busca de sexo barato. Nenhuma desculpa esfarrapada afasta a declaração de seu áudio. Quem está "sensibilizado" na guerra não fica procurando "papar" refugiada em troca de alguns dólares. Fim de papo.

A "terceira via" é o fundo do poço.



7 comentários:

  1. Não existe apenas azul e vermelho. Há muitas outras cores por aí. Mas seja azul, seja vermelho, Pink, fucsia (que nunca nem sei que cor é), todas se corromperao com nosso sistema benevolente ao extremo, regrado de mimos em forma de auxílios e gratificações gigantescas. É o que falei por aí, o próprio sistema corrobora para o desarmamento, o aumento da violência, da impunidade, da falta de seguranca e poder de ação das autoridades. Nosso sistema possui leis brandas com brechas facilmente contestáveis pelos advogados e superiores cada vez mais diabólicos que cumprem seu papel, favorecendo, no final das contas, quem eles querem. Não há honestidade política que sobreviva a um sistema que lhe entrega um mundo maravilhoso de luxo e conforto desde que o ser seja mais um corruptível. Ninguém será louco o bastante para mudar isso, porque todos que entram nesse meio político estão fazendo pelo mesmo motivo: usufruir de toda a mordomia.
    Quando falo sobre ser neutro ou isento, eu quero dizer para não ficar passando pano para nenhum dos dois lados. Para não nos tornamos extremistas, polarizados, torcedores cegos. Devemos olhar ambos e reivindicar ambos, porque muda a ideologia de governo, mas não muda a luxúria em que vivem e não muda a vontade de continuarem nadando nessa piscina poderosa de riqueza.
    Você está careca de saber o que penso sobre esse deputado miserável. Se fôssemos um país sério, ele estaria atrás das grades até que houvesse o momento certo de se pronunciar em alguma delegacia ou outro lugar em que instaurassem um inquérito que resultaria em um processo judicial. Mas o cara voltou numa boa, e até agora a única dor de cabeça que ele tem é a de aguentar a pressão de suas declarações. Fora isso, ele continua em sua zona de conforto, livre, leve e solto.
    Curioso que nem ontem e nem hoje, até agora, nem a GloboNews e nem o Jornal Nacional fizeram um pífio comentário sobre ele. Estão com programas inteiros mostrando seus jornalistas na guerra, mas se recusam a dar ênfase no político daqui. Enfim...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Globo noticiou com ênfase a notícia, logo após eu ter postado aqui. Fora isso, todo o comentário continua valendo.

      Excluir


    2. Olá, Fabiano.

      No campo das cores, realmente “Não existe apenas azul e vermelho”. Mas, no espectro político, ou é azul ou é vermelho. O restante é abobrinha e sexo dos anjos. Ou gente oportunista como o deputado lambe-ânus-cagado (como ele mesmo se identifica, aliás). Não acredito em “terceira via” na política. Pode ser que acredite no futuro? Talvez. Já acreditei antes. Mas a observação à minha volta me fez ver que era muito jovem, ingênuo e estava errado. Se algo mudará meu ponto de vista mais à frente, quem saberá?

      Sobre “polarização”, que bom ele existir em nosso país. Há alguns anos, havia apenas um ponto de vista hegemônico. Hoje, ao menos há dois em combate. Os dois que precisam existir e são bem delimitados claramente. O restante é zona cinzenta onde estou fora. Os extremos existem, devem existir e NÃO SE TOCAM. Dizem por aí que os extremos se tocam. Para mim, balela. Escolho o extremo que melhor se adéqua à minha visão de mundo e fico nele.

      Sim, sei seu ponto de vista claro sobre ele. E endosso esse ponto de vista!

      Abraços!!!

      Excluir
  2. é o fim: comprar bucetas loiras em promoção de mulheres mortas de fome que dão pelo equivalente a um prato de comida em dólares
    ainda tem latino q ia aproveitar e comer no pelo
    decadência verde e amarela

    abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Scant!

      O Mamãe Caguei-Pela-Boca foi à Ucrânia fazer marketing pessoal sobre a miséria humana. Aí já fedia a coisa. Agora ficou mais claro que a falta de escrúpulo é bem maior! Saiu de lá corrido com medo dos nazis ucranianos que queriam lhe cortar a cabeça fora.

      Abraços!

      Excluir
  3. Tenho uma pequena discordância com seu texto. Eu respeito que vota na esquerda trabalhista, na esquerda raíz, preocupada com as desigualdades sociais, com a miséria, com a precarização do trabalho. Uma parte do PT, inclusive o Lula, ainda representa essa esquerda. Eu nunca votei no PT, mas reconheço os méritos dos governos petistas, inclusive no investimento mas forças armadas.
    Com relação a quem vota no Boulos, ou qualquer um do PSOL, eu tenho o mais absoluto desprezo.
    Eu votei no Bolsonaro e fora algumas atitudes dele na pandemia, como não ter liderado a aquisição de vacinas, nem ter feito campanha ativa pela vacinação, eu acho que no mais ele tem feito um bom governo. Inclusive apoio totalmente a postura dele em relação a guerra na Europa. A Rússia é um importante parceiro comercial e além do mais tem assento no conselho de segurança da ONU. O Brasil precisa de um aliado no conselho de segurança e a Rússia é o melhor aliado possível, já que não tem grandes interesses econômicos no nosso país, diferente da China, que pode em nome dos seus interesses ajudar a nos ferrar.

    Com relação ao mamãe falei, tomara que seja cassado. Espero que seja o início da derrocada do MBL. O MBL deveria ser um movimento pra dar apoio aos projetos liberais, se transformou num movimento de garotos mimados, que se acham donos da razão e que só o que defendem está certo.

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Olá, Dedé!

      Acredito que o Mamãe merece se estrepar sobretudo pela hipocrisia. Quando a obra do metrô em SP deu merda (literalmente, aliás), o Eduardo Bolsonaro (vulgo Dudu Bananinha) postou, PUBLICAMENTE, em seu Instagram, que isso se devia à falta de qualificação das engenheiras. E isso porque o Dória lacrou destacando que aquela obra seria uma obra feminina e sem “hómis”. Houve até vídeos lacradores a respeito disso: uma obra de ENGENHEIRAS. O Dudu foi oportuno em seu comentário: quiseram lacrar quando contrataram pelo gênero, não pela capacidade na área. Logo o Mamãe postou um vídeo no YT atacando o Dudu de “machista”. E aí está a diferença: mesmo que fosse machista, o Bananinha postou isso às claras, para todos verem. E ainda está lá, aliás. É como quando Lula diz simpatizar por Hitler e faz piada com os “veados de Pelotas” na de repórteres. Ele não está nem aí. Ele é aquela cara.

      Libertários que não gostam de votar foram às urnas apoiar MBL e Novo: Kim, Arthur, Amoedo etc. No poder, esses caras lacram e possuem discurso de dar inveja na turma do PSTU. Eles são canalhas. Boulos não é “canalha”. Ele acredita nessa ideologia macabra que professa e vai até o fim: Estado grande e forte, elite política hegemônica papando camarão, grandes empresas amigas do Poder em segurança, extinção da oposição e difusão da miséria, amarrada aos auxílios públicos etc etc. O programa de governo é claro. O do MBL muda ao sabor do momento.

      Sobre Boulos e PT, para mim é tudo a mesma coisa. Tive uma carteirinha do PCdoB Jovem na faculdade e achava que Stálin matou foi pouco. PT, para mim, era até frouxo. Hoje, me vejo como alguém anti coletivista e tenho pavor de políticas progressivistas. Aliás, a esquerda trouxe para si o discurso do monopólio da virtude e por isso achamos que há “conquista” em suas ações. Se você ama pobres, você é de esquerda etc. A coisa é por aí. E percebi, com o tempo, que o PT, sim, sabe fazer revolução lenta, gradual e eficaz como nenhuma outra legenda conseguiria. Mas isso daria bastante assunto para este espaço, neste momento…

      Sobre Bolsonaro não ter feito “campanha ativa pela vacinação”, votei nele para isso mesmo, para defender minha liberdade individual ante o Estado e seus amigos. E Bolsonaro se manteve fiel a esta crença, defendendo que senhoras não fossem espancadas porque estava tomando sol na pracinha, surfistas não levassem tiros na praia por pegar onda e que eu pudesse viver em paz minha vida com ou sem me inocular com algo surgido às pressas, sem o método adequado.

      Quanto à Rússia… só posso dizer que a cada dia que passa tomo é mais ranço do Presidente ucraniano. Aquele cidadão é claramente um agent provocateur.

      Abraços!

      Excluir

Comente ou bosteje.