quinta-feira, 26 de maio de 2022

Auschwitz mobile [ Gaswagen ]

A Polícia Rodoviária Federal inaugurou novo sistema de execução: uma câmara de gás portátil. Jogam o pobre coitado no camburão e tacam lá uma bomba de gás. Em pouco tempo, menos um indesejado no mundo. A inauguração do método ocorreu no Estado de Sergipe, quando, ao abordarem um homem com problemas mentais, testaram o sistema na rua mesmo. De acordo com a nota oficial da instituição, "foram empregados técnicas de imobilização e instrumentos de menor potencial ofensivo para sua contenção". Logo, aparentemente, deve haver um camburão da morte mais eficiente, com maior potencial ofensivo, ainda em fase de lançamento. Os testes poderão ocorrer aí perto de sua casa, por isso fique atento. A população bovina observou tudo pianinha: afinal, ninguém tem couro de aço e apenas os policiais estavam armados. Fica a sugestão: armem-se, contra indivíduos e contra o Estado e seus agentes! "Ah, mais aí vai virar um faroeste!", me diz a ovelhazinha. Sim, mas ao menos no velho oeste americano todos tinham chances iguais em matar e morrer. Abraços gasosos e até a próxima!

10 comentários:

  1. Caralho, incorporou o Léo Lins com o Peter Torguniev (pré-ódio cego ao Putin) nesse parágrafo aí. Confesso que ri, mesmo puto pra cacete com a situação, soube agora pouco enquanto almoçava e uma TV ligada no Jornal Hoje anunciava a barbárie, lamentada com muito menos entusiasmo pelo Coringa sem maquiagem que apresenta do que sobre os 22 anjinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Possivelmente porque esse zé ninguém executado sob tortura não é bandido. Mas apenas um doente mental. Os 22 que rodaram no RJ tinham todo o carinho da grande mídia...
      Gosto do Peter, mas às vezes ele delira em seu apego cego ao libertarianismo e ao PNA (pacto de não agressão dos libertários românticos)

      Excluir
    2. nao fala mal do pessoal do RJ seu esquerdista! ahahahaha
      aqui so tem anjo de luz
      esses 22 deviam ser trabalhadores honrados escolhidos aleatoriamente por um policia nazista e mal intencionada que promove sistematicamente a eliminacao de jovens afro descendentes de baixa renda estudantes e amantes de hentai
      seu fascista!

      abs!

      Excluir
    3. Tudo menino trabalhador que ia comprar pão, ralar na vida e deixar currículos!

      Excluir
  2. "...quando, ao abordarem um homem com problemas mentais...", faz apenas uns 10 anos que esperamos esses mslucos do Estado virem aqui na rua da minha mãe, para dar um jeito no doente mental que no dia 12 de Maio, de madrugada, acabou virando um assassino e esfaqueou até cansar, rindo e se divertindo, um colega de quarto. Agora que ele já começou a matar, resta-nos ficar casa vez mais presos. E ele é doente mental, mas desses que sabe de tudo, até destrancar portão sem chave, tirar o miolinho da fechadura etc. Pena que essa polícia aí gosta é de pegar os indefesos e não os perigosos de verdade. Aqui tem muito trabalho para os militares, na rua mesmo. As viaturas passam e fingem que não veem, mas vai você, homem da paz, olhar feio para um deles, pra você ver o que eles não fazem com você. Um bando de covardes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fabiano. Sei bem a história desse cidadãozinho... Ele não é doente não. É safado. Esse daí é doente mesmo. Estava com a mediação no bolso. A PRF o parou e questionou a mediação, começando a lhe deixar nervoso. Aí deu no que deu...
      Abraços!

      Excluir
  3. Como diria o capitão Nascimento "o Brasil é foda parceiro". Vivemos em meio à barbárie.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Vivemos em meio à barbárie"
      Desde que Caim matou Abel na base da porrada. Não me assusto em viver no meio da barbárie. Só quero portar um fuzil para ao menos tentar revidar!
      Abraços!

      Excluir
  4. Nossa!! não tinha visto isso nos jornais.
    Agora só falam de política (Bolsonaro x Lula) e coisas afins!
    Isso é um pouco preocupante, é aquela velha história de quem vigia o vigilante. Infelizmente, com a população desarmada e sem meios de se defender, o vigilante pode fazer o que quiser. Acho isso até curioso, pois alguns policiais se sentem tão incumbidos de força por portar uma arma frente aos demais que acham que podem fazer tudo que quiserem em nome da lei. Não é muito diferente do que o bandido faz. Talvez por isso haja muita corrupção em todos os lugares onde "poder" está em jogo.
    No fim, entre o bem e o mal, entre os maus e os bons, fica o "nós", sempre tomando na tarraqueta.

    Pensei já em buscar formas de me armar. Entretanto, em terras brasileiras isso ainda é algo que só oficiais ou gente bem rica consegue.
    É um parto conseguir licença para ter a arma. Para virar CAC o gasto não é muito menor, ainda podendo tomar uma canetada e ter que entregar as armas tudinho. E mesmo que consiga, ainda por cima o preço de armas boas de defesa são bastante proibitivas. O que sobra é no máximo uma faquinha kkkkkk

    Abraços polvorosos!
    Abraços!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Matheus!

      Isso resume bem a situação: "Não é muito diferente do que o bandido faz". Complementaria ser PIOR. Quando vemos bandidos, a reação fica mais fácil. Quando vemos bandidos fardados, a situação fica mais difícil, pois eles atuam em grandes bandos, munidos de viaturas e poder de fogo bancado pelo Estado. Sem contar o risco de alguém meter bala num policial que está EXECUTANDO alguém e, assim, enfrentarmos processos, retaliações etc.
      Num mundo ideal, parte da população aí, armada, conteria esses policiais e os prenderia.
      CAC é deveras um problema. Muito investimento arriscado em jogo. E como digo a um amigo: para quê serei CAC se não posso comprar tantas armas? Duas arminhas em casa, para mim, está de bom tamanho. E sempre estocando munição.
      Abraços!

      Excluir

Comente ou bosteje.